Pai e filho matam jovem Eliton

No dia 01/06/2017, por volta das 00:05 horas da madrugada alguns jovens conversam animadamente na calçada de uma residência de um  tradicional bairro do Rio de Janeiro, sendo  tema da conversa  o 23º aniversário do jovem Eliton. Momentos após um vizinho do local, que tivera seu filho envolvido anteriormente em  desentendimento de futebol com o jovem Eliton, resolve descer de sua moradia e tomar satisfações com o aniversariante , que em companhia de vários jovens/vizinhos bebericava uma cerveja. No confronto iminente  o vizinho usa uma arma para assustar o jovem que temeroso procura fugir, momento em que o também jovem filho do vizinho de posse de um taco de beisebol  desfere um golpe contra o aniversariante que é atingido na cabeça vindo a cair totalmente inerte. Diante da interferência dos jovens/vizinhos ambos agressores, fogem  sendo o jovem ferido socorrido a hospital, onde vêm a falecer dias depois. A investigação encaminhada a Divisão de Homicídio, sob o INQ. Nº017-02411/2017, é imediatamente iniciada sendo coletadas as primeiras declarações dos jovens/testemunhas que não hesitam  em relatar todos os fatos inclusive que os autores ainda teriam, em fuga,  tentado passar com um veículo sobre o corpo de Eliton, que já ferido mortalmente permanecia sangrando muito na rua.  Com base nas declarações e fuga dos investigados do juízo da culpa é solicitada pelas A.P  a prisão temporária dos indiciados, sendo imediatamente  deferida à medida cautelar no processo nº 0139646-27-2017 8.19. 0001, sendo que dias após ambos se apresentam na Delegacia de Polícia em, total estado de arrependimento que conduz um pai de 46 anos e um filho de 21 anos ao encarceramento.  Ambos admitem o crime, mas alegam motivações discrepantes para o cometimento de tamanha violência, creditando  a vítima tamanha culpa pelo fato, que agora estará a disposição da justiça terrena competente para emitir o devido juízo de valor.  Mas uma vez a experiência policial demonstra que a sociedade já não resolve seus litígios pela via do diálogo ou jurídica e sim matam ou mandam matar.



]">

]">


Pensamentos

“ A criação do banco pedagógico de Talentos, pela Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, não pode se transformar em mais uma frustração policial”

- Daniel Gomes -